São Paulo Matriz +55 (11) 3571-9597 | (11) 94931-1118 | (11) 95976-0807
cursos@fisiociencia.com.br

Blog Fisiociencia

Tudo sobre Pilates
28
nov

O MÉTODO PILATES PODE PROVOCAR LESÕES?

Confira a matéria no site Fashion and Management

O método Pilates surgiu para reabilitar, para devolver a função e para mostrar novas possibilidades que o corpo tem de auto promover saúde por meio do movimento.
Com a disseminação do método cada vez maior, o número de estúdios e o número de cursos aumentam de forma exponencial gerando muitos profissionais que atuam com o “método”, muitas vezes sem a formação adequada, o que compromete a qualidade das aulas/sessões do método Pilates.

Por conta disso, a Profa Dra Eliane Coutinho alerta aos alunos/pacientes  e até aos profissionais para buscarem serviços e formações de qualidade respectivamente. “A mudança começa no aluno, ele precisa ser mais exigente quanto aos profissionais que eles escolhem. É preciso procurar estúdios não pelo preço e sim pela qualificação do profissional”, relata Eliane.

O primeiro contato do aluno com a clinica ou estúdio de Pilates é suficiente para perceber a qualidade da qualificação profissional. Deve-se ficar atento a qualidade da linguagem  que o profissional usa durante a sessão/aula, o seu nível de entendimento, de compreensão sobre o corpo, sobre a função muscular e o processo de adaptação durante os exercícios. Esses pontos irão dar maior segurança no momento da escolha do profissional.
Apesar do alerta, atualmente o índice de lesões só aumenta nas sessões/aulas de Pilates, quando na verdade o método propõe-se a tratar e não a lesionar. Isso deve-se a provável falta de conhecimento profundo sobre a filosofia do método, que prima por um princípio que pode ser o grande responsável pela prevenção de lesão que é o CONTROLE.
Para que o professor seja qualificado a dar aulas de pilates, é preciso que ele entenda que o exercício mais lento recruta mais unidades motoras (maior número de fibras) diminuindo assim a fadiga e menor lesão, assim como a respiração deverá ser profunda para aumentar a capacidade respiratória e com isso mais aporte de oxigênio muscular e menos fadiga e consequentemente menor chance de lesão.
Além disso, para muito profissionais não é claro que os exercícios de cadeia cinética aberta sobrecarregam as articulações de forma pontual, as deixando mais sucessível a lesão. E precisa também  ficar claro que o músculo alonga-se de forma máxima quando seu antagonista realiza contrações efetivas, caso contrário ele não relaxa o suficiente para ser alongado e assim tem a lesão como consequência.
As lesões ocorrem muitas vezes em posições de suspensão onde o aluno não tem força suficiente para sustentar seu próprio corpo, assim como a repetições de exercícios em posição sentado, postura essa que mais sobrecarrega os discos intravertebrais da região lombar.
Lesões ocorrem quando o instrutor não entende que os exercícios em cadeia cinética aberta (exercícios de músculos isolados) podem sobrecarregar mais os músculos e as articulações e que os exercícios para idosos deveriam serem mais em cadeia cinética fechada, trabalhando grupos musculares e distribuindo melhor a sobrecarga articular. Assim quando entendermos melhor  o processo de adaptação músculo esquelética ao exercício poderemos tratar mais adequadamente e prevenir lesões.
Portanto, o profissional fisioterapeuta ou educador físico deverão entender muito bem esses processos, e assim prevenir lesões. Por isso, profissionais e clientes fiquem em alerta, procurem cursos de qualidade e locais com profissionais qualificados que de fato não ensinem só exercícios mas, saibam a filosofia e base científica do método, porque hoje o método Pilates está deixando de ser simplesmente uma técnica de exercícios e passando a ser uma carreira. Por isso, profissionais, investiguem quem irá ministrar o curso e não apenas a escola que está oferecendo o curso. Investiguem o histórico do professor e consultem outros  profissionais que já fizeram o curso para saber a experiência com o método e o que mudou em sua vida após tal formação.
Texto de LQ Comunicação para o blog Moda e Gestão